If you are an ASTM Compass Subscriber and this document is part of your subscription, you can access it for free at ASTM Compass
    ASTM D93 - 20

    Métodos de ensaio padrão para Ponto de fulgor usando o aparelho de vaso fechado Pensky-Martens

    Active Standard ASTM D93 Developed by Subcommittee: D02.08

    Book of Standards Volume: 05.01


      Format Pages Price  
    PDF 23 $69.00   ADD TO CART

    Historical Version(s) - view previous versions of standard

    Translated Standard(s): English

    ASTM License Agreement

    More D02.08 Standards Related Products


    Significance and Use

    5.1 The flash point temperature is one measure of the tendency of the test specimen to form a flammable mixture with air under controlled laboratory conditions. It is only one of a number of properties which must be considered in assessing the overall flammability hazard of a material.

    5.2 Flash point is used in shipping and safety regulations to define flammable and combustible materials. One should consult the particular regulation involved for precise definitions of these classifications.

    5.3 These test methods should be used to measure and describe the properties of materials, products, or assemblies in response to heat and an ignition source under controlled laboratory conditions and should not be used to describe or appraise the fire hazard or fire risk of materials, products, or assemblies under actual fire conditions. However, results of these test methods may be used as elements of a fire risk assessment which takes into account all of the factors which are pertinent to an assessment of the fire hazard of a particular end use.

    5.4 These test methods provide the only closed cup flash point test procedures for temperatures up to 370 °C (698 °F).

    1.1 Estes métodos de ensaio abrangem a determinação do ponto de fulgor de derivados de petróleos na faixa de temperatura de 40 °C a 370 °C por meio de um aparelho de vaso fechado manual Pensky-Martens ou de um aparelho automatizado de vaso fechado Pensky-Martens, e a determinação do ponto de fulgor do biodiesel na faixa de temperatura de 60 °C a 190 °C por meio de um aparelho de vaso fechado automatizado Pensky-Martens.

    OBSERVAÇÃO 1 – podm ser realizadas determinações do ponto de fulgor acima de 250 °C, no entanto, a precisão determinada acima dessa temperatura não foi determinada. Para combustíveis residuais, a precisão não foi determinada para pontos de fulgor acima de 100°C. A precisão de óleos lubrificantes em uso não foi determinada. Algumas especificações indicam um ponto de fulgor mínimo de D93 abaixo de 40°C, no entanto, a precisão não foi determinada abaixo dessa temperatura.

    1.2 O procedimento A aplica-se aos combustíveis destilados (diesel, misturas de biodiesel, óleo de aquecimento, combustíveis de turbina), óleos lubrificantes novos e em uso e outros líquidos de petróleo homogêneos não incluídos no escopo do procedimento B ou do procedimento C.

    1.3 O procedimento B aplica-se a óleos combustíveis residuais, resíduos diluídos, óleos lubrificantes usados, misturas de líquidos de petróleo com sólidos, líquidos de petróleo que tendem a formar uma película na superfície sob condições de ensaio ou líquidos de petróleo com viscosidade cinemática tamanha que não são aquecidos uniformemente sob as condições de agitação e aquecimento do procedimento A.

    1.4 O procedimento C aplica-se ao biodiesel (B100). Como é difícil observar o ponto de fulgor de álcool residual em biodiesel por meio de técnicas de ponto de fulgor manuais, consideramos adequado o uso de aparelho automatizado com detecção eletrônica do ponto de fulgor.

    1.5 Esses métodos de ensaio aplicam-se à detecção de contaminação de material relativamente não volátil ou não inflamável com material volátil ou inflamável.

    1.6 Os valores definidos nas unidades do SI devem ser considerados padrão.

    1.6.1 Exceção – os valores informados entre parênteses são apenas para fins informativos.

    OBSERVAÇÃO 2 – uma prática comum nos padrões de ponto de fulgor por muitas décadas tem sido usar como alternativa um termômetro em escala C ou F para medir a temperatura. Embora as escalas sejam próximas em incrementos, elas não são equivalentes. Como o termômetro de escala F usado neste procedimento é graduado em incrementos de 5°F, não é possível lê-lo no incremento equivalente a 2°C de 3,6°F. Portanto, para fins de aplicação do procedimento do método de ensaio para termômetros com escala de temperatura separada, deve-se usar diferentes incrementos. Neste método de ensaio, o seguinte protocolo foi adotado: Se o objetivo for um equivalente convertido da temperatura, ela aparecerá entre parênteses seguida da unidade do Sistema Internacional (SI), por exemplo, 370 °C (698 °F). Se o objetivo for uma unidade racionalizada da temperatura para a escala alternativa, ela aparecerá depois de “ou”, por exemplo, 2°C ou 5°F.

    1.7 Esta norma não pretende abordar todas as preocupações de segurança, se houver, associadas à sua utilização. É responsabilidade do usuário desta norma estabelecer práticas apropriadas de saúde, segurança e meio ambiente e determinar a aplicabilidade das limitações regulatórias antes do uso. Para declarações de advertência específicas, consulte 6.4, 7.1, 9.3, 9.4, 11.1.2, 11.1.4, 11.1.8, 11.2.2 e 12.1.2.

    1.8 Esta norma internacional foi desenvolvida de acordo com os princípios internacionalmente reconhecidos sobre padronização estabelecidos na Decisão sobre os Princípios para o desenvolvimento de normas, guias e recomendações internacionais emitidos pelo Comitê de obstáculos técnicos ao comércio (TBT) da Organização Mundial do Comércio.