If you are an ASTM Compass Subscriber and this document is part of your subscription, you can access it for free at ASTM Compass
    ASTM D4815 - 15b(2019)

    Método de ensaio padrão para Determinação de MTBE, ETBE, TAME, DIPE, álcool terc-amílico e álcoois de C1 a C4 na gasolina por cromatografia gasosa

    Active Standard ASTM D4815 Developed by Subcommittee: D02.04.0L

    Book of Standards Volume: 05.02


      Format Pages Price  
    PDF 18 $200.00   ADD TO CART

    Historical Version(s) - view previous versions of standard

    Translated Standard(s): English

    ASTM License Agreement

    More D02.04.0L Standards Related Products


    Significance and Use

    5.1 Ethers, alcohols, and other oxygenates can be added to gasoline to increase octane number and to reduce emissions. Type and concentration of various oxygenates are specified and regulated to ensure acceptable commercial gasoline quality. Drivability, vapor pressure, phase separation, exhaust, and evaporative emissions are some of the concerns associated with oxygenated fuels.

    5.2 This test method is applicable to both quality control in the production of gasoline and for the determination of deliberate or extraneous oxygenate additions or contamination.

    1.1 Este método de ensaio abrange a determinação de éteres e álcoois em gasolinas por cromatografia gasosa. Os compostos específicos determinados são éter metil-terc-butílico (MTBE), éter etil-terc-butílico (ETBE), terc-amil metil éter (TAME), éter di-isopropílico (DIPE), metanol, etanol, isopropanol, n-propanol, isobutanol, terc-butanol, sec-butanol, n-butanol e terc-pentanol (álcool terc-amílico).

    1.2 Éteres individuais são determinados de 0,20% a 20,0% em massa. Álcoois individuais são determinados de 0,20% a 12,0% de massa. São fornecidas as equações usadas para converter para oxigênio em % de massa e % de volume de compostos individuais. Em concentrações <0,20% de massa, é possível que os hidrocarbonetos interfiram com vários éteres e álcoois. O limite de informação de 0,20% em massa foi testado para gasolinas contendo um máximo de 10% em volume de olefinas. É possível que, para gasolinas contendo >10% em volume de olefinas, a interferência seja >0,20% de massa. O Annex A1 apresenta um cromatograma mostrando a interferência observada com uma gasolina contendo 10% em volume de olefinas.

    1.3 Este método de ensaio inclui uma correlação de desvio relativo para o etanol em combustíveis para motores de ignição por faísca para o relatório de regulamentações da EPA dos EUA com base na avaliação da precisão da Prática D6708 entre o Método de ensaio D4815 e o Método de ensaio D5599 como uma alternativa possível ao Método de ensaio D4815 do Método de ensaio D5599. A equação de correlação derivada da Prática D6708 aplica-se apenas para etanol em combustíveis na faixa de concentração de 2,28% a 14,42% por massa como medido pelo Método de ensaio D4815. A faixa aplicável do Método de ensaio D5599 para etanol é de 2,16% a 14,39% em massa, como relatado pelo Método de ensaio D5599.

    1.4 Combustíveis à base de álcool, como M-85 e E-85, produto MTBE, produto de etanol e álcool desnaturado, estão especificamente excluídos deste método de ensaio. O teor de metanol do combustível M-85 é considerado além da faixa operacional do sistema.

    1.5 Benzeno, quando detectado, não pode ser quantificado usando este método de ensaio e deve ser analisado por metodologia alternativa (consulte o Método de ensaio D3606).

    1.6 Os valores indicados no sistema internacional de unidades (SI) devem ser considerados como padrão. Unidades alternativas, em uso comum, também são fornecidas para aumentar a clareza e para ajudar os usuários deste método de ensaio.

    1.7 Esta norma não pretende abordar todas as preocupações de segurança, se houver, associadas à sua utilização. É responsabilidade do usuário desta norma estabelecer práticas apropriadas de saúde, segurança e meio ambiente e determinar a aplicabilidade das limitações regulatórias antes do uso.

    1.8 Este padrão internacional foi desenvolvido de acordo com os princípios internacionalmente reconhecidos sobre padronização estabelecidos na Decisão sobre os Princípios para o desenvolvimento de normas, guias e recomendações internacionais emitidos pelo Comitê de obstáculos técnicos ao comércio (TBT) da Organização Mundial do Comércio.