Format Pages Price  
    PDF 10 $50.00   ADD TO CART


    Significance and Use

    5.1 Derivados novos e usados podem conter constituintes básicos presentes na forma de aditivos. A quantidade relativa desses materiais pode ser determinada pela titulação com ácidos. O número básico é uma medida da quantidade de substâncias básicas no óleo, sempre sob as condições do ensaio. Algumas vezes, ele é usado como medida da degradação do lubrificante em serviço. No entanto, qualquer limite de tolerância máxima deve ser estabelecido empiricamente.5.2 Como indicado em 1.2, este método de ensaio usa um ácido mais fraco para titular a base do que o Método de ensaio D2896, e os solventes de titulação também são diferentes. O Método de ensaio D2896 usa um ácido mais forte e um sistema de solvente mais polar do que o Método de ensaio D4739. Como resultado, o Método de ensaio D2896 titulará sais de ácido fraco (sabões), sais básicos de bases poliacídicas e sais alcalinos fracos de alguns metais. Eles não protegem o óleo de componentes ácidos devido à degradação do óleo. Este método de ensaio pode produzir um número básico falsamente exagerado. O Método de ensaio D4739 provavelmente não titulará essas bases fracas, mas, se for o caso, serão tituladas até um grau menor de conclusão. Ele mede apenas os componentes básicos do pacote aditivo que neutraliza os ácidos. Por outro lado, se o pacote aditivo contiver componentes básicos fracos que não desempenham um papel na neutralização dos componentes ácidos do óleo degradante, o resultado do Método de ensaio D4739 pode ser falsamente subestimado.5.3 Necessita-se de um cuidado especial na interpretação do número básico de lubrificantes novos e usados. 5.3.1 Quando for exigido o número básico como uma expressão da qualidade de fabricação do novo óleo, o Método de ensaio D2896 é preferível, por titular bases fracas que este método de ensaio pode ou não titular de forma confiável.5.3.2 Quando for exigido o número básico de óleo em serviço ou a prazo, este método de ensaio é preferível, pois, em muitos casos, especialmente para óleos de motor de combustão interna, são possíveis produtos de degradação fracamente básicos. O Método de ensaio D2896 os titulará, fornecendo, portanto, um valor falso de basicidade essencial. Este método de ensaio pode ou não titular esses ácidos fracos.5.3.3 Quando a consideração é a perda do valor do número básico, enquanto o óleo continua em serviço, este método de ensaio é preferível e todos os valores, incluindo o óleo não usado, devem ser determinados por este método. Os números base obtidos por este método de ensaio não devem estar relacionados com os números base obtidos por outro método de ensaio, como o Método de ensaio D2896.5.3.4 No Programa interlaboratorial de verificação cruzada da ASTM para lubrificantes novos e usados, tradicionalmente o Método de ensaio D2896 fornece um valor maior para número básico.

    1.1 Este método de ensaio abrange um procedimento para a determinação de constituintes básicos em derivados de petróleo e lubrificantes novos e usados. Este método de ensaio resolve estes constituintes em grupos com propriedades de ionização de base fraca e base forte, desde que as constantes de dissociação dos compostos mais fortemente básicos sejam pelo menos 1000 vezes superiores aos dos grupos mais fracos seguintes. Este método de ensaio abrange números base até 250.1.2 Nos lubrificantes novos e usados, os constituintes que podem ser considerados como tendo propriedades básicas são primeiramente bases orgânicas e não orgânicas, incluindo compostos de amina. Este método de ensaio usa ácido clorídrico como titulante, enquanto o Método de ensaio D2896 usa ácido perclórico como titulante. Este método de ensaio pode ou não titular essas bases fracas e, se assim for, serão tituladas até um grau menor de conclusão. Alguns aditivos, como inibidores ou detergentes, podem apresentar características básicas.1.3 Ao ensaiar lubrificantes de motor usados, deve-se reconhecer que certas bases fracas são resultado do serviço ao invés de ter sido incorporadas no óleo. Este método de ensaio pode ser empregado para indicar mudanças relativas que ocorrem no óleo durante o uso em condições oxidantes ou outras condições de serviço, independentemente da cor ou outras propriedades do óleo resultante. No entanto, os valores obtidos devem ser comparados com outros valores obtidos por este método de ensaio apenas; os números base obtidos por este método de ensaio não pretendem ser iguais aos valores obtidos por outros métodos de ensaio. Embora a análise seja feita sob condições bem especificadas, este método de ensaio não se destina e não resulta em propriedades básicas informadas que podem ser usadas sob todas as condições de serviço para prever o desempenho de um óleo; Por exemplo, nenhuma relação global é conhecida entre a corrosão do rolamento ou o controle do desgaste corrosivo no motor e número básico.1.4 Este método de ensaio foi desenvolvido como uma alternativa à porção do número básico anterior do Método de ensaio D664 (publicado por último no Método de ensaio D664 – 81). 1.4.1 Os métodos de ensaio colorimétricos para número básico são o Método de ensaio D974, IP 139 e 5102.1 de número ácido e base por extração (titulação com indicador de cor) da Norma federal de método de ensaio n.º 791b. Os resultados de ensaio por estes métodos podem ou não ser numericamente equivalentes a este método de ensaio.1.5 Os valores indicados no sistema internacional de unidades devem ser considerados como padrão. Nenhuma outra unidade de medida está incluída nesta norma.1.6 Esta norma não pretende abordar todas as preocupações de segurança, se houver, associadas à sua utilização. É responsabilidade do usuário desta norma estabelecer práticas apropriadas de saúde, segurança e meio ambiente e determinar a aplicabilidade das limitações regulatórias antes do uso.1.7 Este padrão internacional foi desenvolvido de acordo com os princípios internacionalmente reconhecidos sobre padronização estabelecidos na Decisão sobre os princípios para o desenvolvimento de normas, guias e recomendações internacionais emitidos pelo Comitê de Obstáculos técnicos ao comércio (TBT) da Organização Mundial do Comércio.