ASTM D4530 - 15

    Método de ensaio padrão para Determinação do resíduo de carbono (Método micro)

    Active Standard ASTM D4530 Developed by Subcommittee: D02.06

    Book of Standards Volume: 05.02


      Format Pages Price  
    PDF 9 $50.00   ADD TO CART

    Historical Version(s) - view previous versions of standard

    Translated Standard(s): English

    ASTM License Agreement

    More D02.06 Standards Related Products


    Significance and Use

    5.1 O valor do resíduo de carbono dos vários materiais petrolíferos serve como uma aproximação da tendência do material em formar depósitos do tipo carbonáceos sob condições de degradação semelhantes às usadas no método de ensaio, e pode ser útil como guia na fabricação de certos estoques. No entanto, é preciso ter cuidado ao interpretar os resultados.

    5.2 Este método de ensaio oferece vantagens de controlar melhor as condições de ensaio, amostras menores e exige menos atenção do operador em comparação com o Método de ensaio D189, ao qual é equivalente.

    5.3 Podem ser executadas até doze amostras simultaneamente, incluindo uma amostra de controle quando o suporte de frasco mostrado na Fig. 1 for usado exclusivamente para análise de amostras.

    1.1 Este método de ensaio abrange a determinação da quantidade de resíduo de carbono (consulte a Observação 1) formada após evaporação e pirólise de materiais de petróleo sob certas condições e destina-se a fornecer alguma indicação de propensão relativa à formação de coque em tais materiais.

    1.2 Os resultados do ensaio são equivalentes ao ensaio de resíduo de carbono Conradson (consulte o Método de ensaio D189).

    OBSERVAÇÃO 1 – esse procedimento é uma modificação do método e aparelho originais para resíduos de carbono de materiais petrolíferos, onde foi demonstrado que a termogravimetria é outra técnica aplicável.2 No entanto, é responsabilidade do operador estabelecer condições operacionais para obter resultados equivalentes ao usar a termogravimetria.

    1.3 Este método de ensaio é aplicável a produtos petrolíferos que se decompõem parcialmente na destilação à pressão atmosférica e foi testado para valores de resíduos de carbono de 0,10% a 30% (m/m). As amostras esperadas abaixo de 0,10% em massa (m/m) de resíduos devem ser destiladas para remover 90% (V/V) da carga do frasco (ver Seção 9). Os 10% de sedimentos remanescentes são então testados para resíduos de carbono por esse método de ensaio.

    1.4 Os constituintes formadores de cinzas, conforme definido pelo Método de ensaio D482, ou aditivos não voláteis presentes na amostra, adicionarão ao valor do resíduo de carbono e serão incluídos como parte do valor total do resíduo de carbono informado.

    1.5 Também no combustível diesel, a presença de nitratos alcalinos como nitrato amílico, nitrato hexilo ou nitrato octílico, gera um valor de resíduos de carbono mais altos do que o observado no combustível sem tratamento, o que poderá levar a conclusões errôneas como a propensão do combustível de formar coques. A presença de nitrato alcalino no combustível poderá ser detectada pelo Método de ensaio D4046.

    1.6 Os valores indicados no sistema internacional de unidades devem ser considerados como padrão. Nenhuma outra unidade de medição é incluída nesta norma.

    1.6.1 Exceção – 6.4 e 6.5 incluem unidades de polegada-libra.

    1.7 AVISO – o mercúrio foi classificado por muitos órgãos reguladores como um material perigoso que pode causar danos ao sistema nervoso central, aos rins e ao fígado. Mercúrio (ou seu vapor) pode ser perigoso para a saúde e corrosivo para materiais. Deve-se ter cuidado ao manusear mercúrio e produtos contendo mercúrio. Consulte a ficha de dados de segurança do material aplicável (FISPQ) para obter detalhes e o site da EPA – http://www.epa.gov/mercury/faq.htm – para obter mais informações. Os usuários devem estar cientes de que a venda de mercúrio e/ou de produtos contendo mercúrio em seu estado ou país pode ser proibida por lei.

    1.8 Esta norma não pretende abordar todas as preocupações de segurança, se houver, associadas à sua utilização. É responsabilidade do usuário desta norma estabelecer práticas apropriadas de práticas de segurança e determinar a aplicabilidade das limitações regulatórias antes do uso. Para advertências específicas, consulte 8.2.3 e 8.4.